quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Delmiro e seus barbeiros (texto de Gerd Baggenstoss)


Publicado originalmente no site www.ferreiradelmiro.com

Este é um texto que gostaria de ter escrito. Parabéns ao Gerd Baggenstoss. E grato ao site Ferreira Delmiro por autorizar a reprodução.

Delmiro e seus Barbeiros.Texto de:   Gerd Baggenstoss



8:30, a cidade assume uma condição diferente aos sábados, dia de feira. No calçadão, o movimento é frenético, a passos largos, sacolas e bolsas encaminham-se as suas casas em todas direções movidos pelo bater consecutivo do relógio. Viver é preciso. O último suspiro da manhã vai desaparecendo a cada leve e precisa laminada entre a pele e os pêlos do cliente, entre o olhar atento à lâmina e a conversa desapressada e mansa do dia a dia, sim, são os barbeiros delmirenses, figuras dignas de uma laminada histórica.


Faz tempo que eles estão lá, margeando a atual Avenida Castelo Branco, assumindo o papel que lhes cabe, embelezar o rosto das pessoas e a cidade de causos. Peculiar é o tratamento que se recebe. Ao chegar a barbearia, o tempo vai amoldando-se, tranquilamente ao ambiente. Gentilmente, se é recebido, pede-se tempo para limpar eventuais penugens. Senta-se na cadeira, a conversa segue lenta e aprazível logo atrás. Pede-se, ainda, um tempo para preparar o creme, enquanto é mexido, há noutras conversas, tudo para lentamente... o cliente espera sentado, olhando através do espelho, onde as pessoas gazeteiam a cidade. Pelo estender do tempo, as conversas cruzam o reflexo do espelho, e não há necessariamente aquela pressa habitual que a busca do vil metal impõem, não, há apenas o tempo solto, descolado de toda a realidade que a rodeia. A lâmina começa a trabalhar, ela é indiferente ao tempo, mas não ao percebimento.


A cidade, efusiva, costura o tecido invisível do tempo sem perceber-se. Os carros param no sinal apreensivos, outros passam apressados do outro lado da rua, uns não percebem os outros. Mesma situação ocorre noutros cantos, o desapercebimento parece ser a regra, bem diferente da barbearia. A corrida do lucro e do trabalho vai determinando o bater das horas pelo resto do dia. Os hábitos da cidade, as pequenas transgressões, histórias de bar ou piadas, vão passando paulatinamente a seara virtual. Um minuto nesse mundo, é bem diferente de um minuto na barbearia. Parar aqui significa perceber a fantasia avassaladora de que tempo é dinheiro. A lâmina trabalha com pressa, indiferente ao outro, mas nunca ao tempo.


A barbearia sempre fora um lugar da mais alta importância para a povoação, ali, para além das conversas, vai-se construindo a ideia de pertencimento, a ideia de similaridade, ali ponteia-se o tecido cultural de uma cidade e o tempo não é pautado pela financeirização excessiva da sociedade. A globalização, por outro lado, retira a condição de pertencimento, forma uma massa incauta de consumidores a reboque dos interesses econômicos, subdividindo-os através da diferenciação. Rumo à perfeição conceitual existe até receita para estar inserido neste hipertexto: estar com agenda cheia de atividades marcando passo nas relações humanas através da impessoalidade. Aqui, temos uma marca dos nossos tempos, e isso é uma lâmina fria e afiada que nos separa da cidade de forma brutal. A barbearia, com seus poetas, vendedores, gazeteiros, aposentados e desocupados, reafirma um propósito de que uma outra cidade é possível.



É possível buscar a partir desse peculiar modo de vida uma reinvenção da cidade, e quem sabe até, propositivamente, a desaceleração consumista a qual estamos submetidos. Não se trata apenas de mitificar um passado recente no qual a barbearia era um dos locus mais importantes da cidade, onde as notícias passavam pelo crivo dos homens de barba, e o tempo era só mais um detalhe no cabedal de conversas. A barbearia e seus bons barbeiros, atualmente põem em xeque a integridade do pensamento moderno de que todo o tempo está a disposição da busca frenética do dinheiro através do trabalho, eles, redefinem a condição de tempo a partir de uma experimentação da lâmina, do espelho e de boas prosas.



Bem fácil, aliás, é encontrar um barbeiro e seus grupos nas transversais da avenida principal. Cabe ainda, uma homenagem tardia a todos os barbeiros que construíram e desconstruíram, literalmente, os homens desta cidade. Salve os Raimundos, Ciços e Barbeirinhos, agradecimentos aos antigos Valter (Rapô), João Bráz, Zé Pedro, Ciço Garapa e outros que o esquecimento nos faz incorrer na omissão. 





12 comentários:

Ferreira Delmiro disse...

Agora o desafio é listar o nome dos barbeiros da cidade?

att, Fernando

Blecaute disse...

Pra isso é só começar. desde os atuais aos do passado.
Zito cabelereiro, Bom Sossego.

Anônimo disse...

Eu tenho um amigo que cheguei a trabalhar com ele na Fábrica da Pedra( Companhia Agro Fabril Mercantil ) na época. Saí da Cidade por alguns anos. Quando voltei ele estava trabalhando de Barbeiro. Cortou o meu cabelo algumas vezes. Não sei se ele ainda exerce a profissão e nem se ainda mora na cidade. Seu nome, coincidentemente, é Delmiro. Algum de vcs o conhece?

Tony Lima

São Paulo

Edmo Cavalcante disse...

César, não sei se tu sabes, meu caro...mas costumo passar férias em Delmiro. Aí já sabe, preguiça de fazer a barba e vamos ao Barbeirinho. Quando chego lá(no beco de tio Zé Balbino), como sempre(no 2º horário) encontro Barbeirinho dormindo. Porta da barbearia aberta e Barbeirinho sentado na cadeira de barbear, dormindo rsrs. Durante o barbear, Barbeirinho fala sobre futebol( é torcedor do Santos), política,religião, clima, e qualquer outro assunto que o cliente pestanejar rsrs

Edmo Cavalcante disse...

César, e demais amigos delmirenses...certa feita, por volta do início da década 70, fui cortar cabelo com o Tipó. Tipó perguntou se eu queria o cabelo arredondado ou quadrado na parte de trás da cabeça rsrs sei lá acho que foi assim que ele perguntou. Respondi: Quadrado! Tipó danou a tesoura no mais singelo estilo quartel do exército. Quando terminou, colocou o espelho pequeno para que eu desse o aprove do corte. Foi aí que percebí que meu cabelo estava quase militar rsrs olhei no espelho tive vontade de chorar rsrs. Ainda tive que pagar por aquele desmatamento. Mas valeu...valeu como hitória rsrs

Anônimo disse...

Me desculpe meu caro Edmo,Como poderia me esquecer de Barbeirinho, uma figura carismática que conquistava seus clientes com sua maneira de ser, sempre bem hunorado!
Na minha época seu salão ficava num beco que ligava a av. Presidente Castelo Branco a Praça Tamarineira.Acho que era isso!

Tony Lima

São Paulo

Paurílio disse...

Eu morava na vila da fábrica, na rua Rui Barbosa. Lá havia vários barbeiros, mas eu era freguês do Zé Pedro. Não sei se se trata do mesmo que é citado no final do texto, pois isso já vai muito tempo, era no meado do século XX. - Custo zero, pois Zé Pedro era casado com uma tia minha.

Anônimo disse...

César, se não falha a memória, tinha um barbeiro também muito conhecido, ele era torcedor do Botafogo/RJ., e como o seu nome ainda não foi lembrado, pergunto: Você se lembra de Mané Cesário?

Genilson

André disse...

Olhando a primeira foto do salão de barbeiro de raimundo, eis que vejo VIRGÍLIO GONÇALVES, falecido, infelizmente, há poucos dias, aos 83 anos.

Era/foi locutor do PRC e tinha uma veia poética, um sujeito que gostava de emitir opinião sobre quaisquer assuntos nos bate-papos delmirenses. Muito triste a notícia. Mas um grande nome das persolalidades de Delmiro que se vai...

André.

ADEMIR FEITOSA disse...

CADÊ TODO MUNDO...

Anônimo disse...

É Ademir Feitosa, parece que o pessoal esqueceu o blog mesmo. Também pudera, só se fala em Facebook, Whatsapp,etc... Convoca o pessoal aí gente! Não deixem o Blog cair não.

Tony Lima

São Paulo

Luciano Jorge disse...

Boa tarde sr.andré me emociona a forma respeitosa em que menciona o nome do meu pai obrigado pela consideração . Luciano Gonçalves